Cadastre-se em nossa corretora!

-Melhor relação custo x benefício;
-Home Broker ágil, prático e estável;
-Atendimento online e por telefone;
-Ganhe um DVD de análise gráfica, na primeira operação!
-Plataforma gráfica profissional gratuita e muito mais!

Abra sua conta!

Perguntas Frequentes

1 – O que são valores mobiliários?
2 – O que são ações?
3 – Quais são os tipos de ações?
4 – O que são as Corretoras?
5 – Como posso investir em ações?
6 – Qual o valor mínimo para começar a investir em ações?
7 – O que é um Clube de Investimento?
8 – O que é Fundo de Garantia das Bolsas de Valores?
9 – O que é Home Broker?
10 – Como posso negociar ações via Internet?
11 – O que são dividendos?
12 – Como a empresa distribui os dividendos?
13 – O que é subscrição?
14 – O que é um Direito de Subscrição?
15 – O que é um Recibo de Subscrição?
16 – O que é o After Market?
17 – Qual a diferença entre Mercado Primário e Mercado Secundário?
18 – O que é o Mercado Fracionário?
19 – Como as ações são negociadas?
20 – Como é formado o preço de uma ação?
21 – Existe um prazo mínimo para se ficar com uma ação?
22 – O que é day trade?
23 – O que é a liquidação das operações?
24 – O que significa a “Bolsa em alta” ou “Bolsa em baixa”?
25 – Como é determinado se uma ação está em alta ou em baixa?
26 – Como posso acompanhar o comportamento do mercado como um todo?
27 – O que é POP?
28 – O que é um índice de ações?
29 – O que é carteira teórica?
30 – Qual é a finalidade de um índice de ações?
31 – Quem calcula os índices de ações?
32 – Quem usa os índices de ações?
33 – O que são “pontos” de um índice de ações?
34 – O que é quantidade da carteira teórica?
35 – O que é o Ibovespa?
36 – O que é o IBrX?
37 – Como são escolhidas as ações que participarão do índice?
38 – Uma vez escolhida, a carteira de ações do índice não muda mais?
39 – As companhias retiradas do índice devem ser consideradas um mau investimento?
40 – Que tipos de índices de ações existem?
41 – O que é variação do índice?
42 – Como são calculados os índices ao longo do período de negociação?
43 – Como é calculado o índice médio?
44 – O que significa dizer que o índice “subiu” ou “caiu”?
45 – O que significa “Bolsa em alta”? E “Bolsa em baixa” ou “Bolsa estável”?
46 – A tendência de movimento dos índices de ações pode ser prevista com precisão?
47 – Como se mede o quanto um índice “subiu” ou “caiu”?
48 – O quanto um índice pode subir?
49 – O quanto um índice pode cair?
50 – Os índices podem prever se o mercado irá subir ou cair?
51 – Os índices de ações representam o comportamento da economia do país?
52 – O que são debêntures?
53 – O que são notas promissórias?
54 – Qual a diferença entre ações, debêntures e notas promissórias?
55 – O que é FIDC?
56 – O que é CRI?
57 – O que é Alienação Fiduciária?
58 – O que são os Fundos de Investimento Imobiliário (FII)? Onde consigo informações sobre eles?
59 – O que é uma Companhia Aberta?
60 – Por que as empresas abrem capital?
61 – O que é o Novo Mercado? E os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa?
62 – O que é Governança Corporativa?
63 – Quais são as opções de investimento disponíveis para o público estrangeiro?
64 – O que é preciso para um estrangeiro começar a investir?
65 – O que são eventos corporativos?
66 – Qual o horário de negociação da Bolsa?
67 – O que é grupamento de ações (ou inplit)?
68 – O que é desdobramento de ações (ou split)?
69 – Quais livros e filmes relacionados à investimentos vocês me indicam?
70 – O que são commodities?
71 – O que acontece quando uma empresa sai da Bolsa de Valores (fecha o capital)? Como ficam os papeis que por ventura possuir em carteira?

 

 

1 – O que são valores mobiliários? – [Voltar ao topo]
Valores mobiliários são títulos com valor financeiro. Podem ser ações, bônus de subscrição (preferência na compra de novas ações), debêntures (títulos que as empresas emitem e que garantem aos compradores uma remuneração certa em prazos definidos) ou notas promissórias (títulos de crédito emitidos pelas empresas, que dão a seu titular o direito de crédito contra a emitente).

2 – O que são ações? – [Voltar ao topo]
Ação é um pedacinho de uma empresa. Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela. Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis que representam, para quem as possui, uma fração do capital social de uma empresa

3 – Quais são os tipos de ações? – [Voltar ao topo]
As ações podem ser:- Ordinárias (ON): que concedem o direito de voto nas assembleias da empresa;

– Preferenciais (PN): que oferecem preferência no recebimento de resultados ou no reembolso do capital em caso de liquidação da companhia. Entretanto, as ações preferenciais não concedem o direito de voto, ou o restringem.

As ações preferenciais podem ainda ser diferenciadas por classes: A, B, C ou alguma outra letra que apareça após o “PN”. As características de cada classe são estabelecidas pela empresa emissora da ação, em seu estatuto social. Essas diferenças variam de empresa para empresa, portanto, não é possível fazer uma definição geral das classes de ações.

4 – O que são as Corretoras? – [Voltar ao topo]
É a instituição que compra e vende ações para você. As Corretoras constituem instituições financeiras credenciadas pelo Banco Central, pela CVM e pelas próprias Bolsas, e estão habilitadas, entre outras atividades, a negociar valores mobiliários com exclusividade no sistema eletrônico da BOVESPA.

5 – Como posso investir em ações? – [Voltar ao topo]
Você deve procurar uma Corretora de Valores. As Corretoras e outros intermediários financeiros dispõem de profissionais voltados à análise de mercado, de setores e de companhias, e com eles você poderá se informar sobre o momento certo de comprar e vender determinadas ações para obter melhores resultados.
Além disso, você pode investir por meio de Fundos de Ações, administrados por um banco ou mesmo por uma corretora, sendo que as decisões em relação a quando e em quais ações investir, nesse caso, são tomadas pelo banco ou corretora. Outra opção é a de investir através de um clube de investimento, no qual um grupo de pessoas físicas se reúne e procura uma corretora, para aplicar recursos em uma carteira de ações.

6 – Qual o valor mínimo para começar a investir em ações? – [Voltar ao topo]
Não existe um valor mínimo exigido para investir na Bolsa. Isso varia em função do preço das ações que se deseja comprar ou vender descoberto e até mesmo da corretora que você escolher. Uma alternativa para quem está começando é investir em Tesouro Direto e, com isso, acumular mais recursos para investir.

7 – O que é um Clube de Investimento? – [Voltar ao topo]
Trata-se de uma aplicação financeira criada por um grupo de pessoas que desejam investir seu dinheiro em ações. Ele pode ser criado por empregados ou contratados de uma mesma entidade ou empresa ou, ainda, por um grupo de pessoas que têm objetivos em comum, como professores, metalúrgicos, donas-de-casa, médicos, aposentados, entre outros. Para criar o Clube de Investimento, você vai precisar de um administrador – que pode ser uma Corretora BOVESPA. Veja mais sobre clubes de investimentos.

8 – O que é Fundo de Garantia das Bolsas de Valores? – [Voltar ao topo]
A BOVESPA mantém um Fundo de Garantia com a finalidade de assegurar aos investidores do mercado de valores mobiliários, até o limite desse Fundo, o ressarcimento de prejuízos advindos da atuação inadequada de administradores, empregados ou prepostos de corretora BOVESPA, que tenha recebido ordem do investidor ou que represente a contraparte da operação, em relação à intermediação de negociações realizadas, exclusivamente, nessa bolsa de valores e ao serviço de custódia.
As operações realizadas no SOMA – mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA – não estão cobertas pelo referido Fundo de Garantia ou por qualquer outro mecanismo de ressarcimento de prejuízo.
As demandas dos investidores referentes ao Fundo de Garantia devem ser protocoladas junto à BOVESPA, em seu edifício-sede em São Paulo, ou em seus escritórios no Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

9 – O que é Home Broker? – [Voltar ao topo]
O Home Broker está interligado ao sistema de negociação da BOVESPA e permite que você envie ordens de compra e venda de ações através do site de sua Corretora na Internet.

10 – Como posso negociar ações via Internet? – [Voltar ao topo]
É necessário que você seja cliente de uma Corretora da BOVESPA que disponha do sistema Home Broker, o qual permite a negociação de ações via Internet.

11 – O que são dividendos? – [Voltar ao topo]
Quando uma empresa vai bem, ela divide os lucros com quem tem suas ações. Isso é os dividendos. Ou seja, os dividendos correspondem à parcela de lucro distribuída aos acionistas, na proporção da quantidade de ações detida, apurado ao fim de cada exercício social. A companhia deve distribuir, no mínimo, 25% de seu lucro líquido ajustado.

12 – Como a empresa distribui os dividendos? – [Voltar ao topo]
Os dividendos podem chegar ao investidor de duas maneiras:
1. O pagamento de dividendos dos acionistas que detém ações no livro de registros da empresa é realizado diretamente pela empresa aos acionistas por meio de crédito em conta corrente ou disponibilizado no caixa do banco da empresa, mediante apresentação de documentos.
2. Para aqueles que têm suas ações custodiadas na CBLC, os valores são repassados pela empresa à CBLC que os repassa para os Agentes de Custódia, responsáveis pelo repasse do pagamento aos acionistas. Informe-se consultando sempre os comunicados emitidos pelas companhias listadas na ocasião da aprovação da distribuição dos dividendos. No site da BOVESPA, esta informação está disponível aqui.

13 – O que é subscrição? – [Voltar ao topo]
A Subscrição é um aumento de capital deliberado por uma Empresa, com o lançamento de novas ações, para obtenção de recursos. Os acionistas da empresa têm preferência na compra dessas novas ações emitidas pela companhia, na proporção que lhe couber, pelo preço e no prazo preestabelecido pela empresa. Essa preferência detida pelos acionistas é chamada de Direito de Subscrição. O Direito de Subscrição é um ativo negociado no pregão da BOVESPA, no decorrer do prazo preestabelecido para o exercício do Direito de Subscrição. Transcorrido o prazo, o ativo deixa de existir.

14 – O que é um Direito de Subscrição? – [Voltar ao topo]
É um direito de preferência do acionista de subscrever (adquirir) novas ações de uma companhia aberta, quando do aumento de capital desta, na proporção das ações que já possuir. Isso significa que é permitido ao acionista comprar novo lote de ações lançado pela empresa por um valor preestabelecido e em período determinado. Este direito pode ser negociado no mercado secundário da BOVESPA, o que permite ao acionista transferi-lo a terceiros.
O acionista que não efetuar a subscrição no período estipulado perde seu direito e não tem restituição do valor pago antecipadamente pelos direito, já que esse papel deixa de existir, perdendo seu valor, após o período de subscrição.

15 – O que é um Recibo de Subscrição? – [Voltar ao topo]
É um documento que comprova o exercício do direito de subscrição de ações ou debêntures. Os direitos podem ser negociados na BOVESPA após o pagamento da subscrição e até sua transformação em ações ou debêntures, quando também são extintos.

Quais os códigos de direitos e recibos de subscrição?
Os direitos e recibos de subscrição são apregoados com o mesmo prefixo do papel seguidos de sufixo identificador de direito ou recibo de papel ON ou PN, conforme segue:
PAPEL: ON DIREITO: 1 RECIBO: 9
PAPEL: PN DIREITO: 2 RECIBO: 10

Qual a diferença entre direito e recibo de subscrição?
Direito – é a possibilidade do detentor de ações/debêntures de uma dada companhia, adquirir novos títulos, nas condições por ela previamente estipuladas.
Recibo – é o comprovante de que o titular dos direitos de subscrição decidiu exerce-los, total ou parcialmente, nas condições estipuladas, e passam a ser negociados após o pagamento da respectiva subscrição.

Exemplo de código de papel
Petrobrás ON, código de apregoamento PETR3, tem prefixo de “PETR”, em caso de direito será apregoado como “PETR1” (direito de subscrição de Petrobrás ON) e, em caso de recibo, como “PETR9” (recibo de subscrição de Petrobrás ON).

Alerta
As negociações com este tipo de ativo exigem cuidados redobrados dadas suas características especiais. Consulte nossa Central de Atendimento: 0800 600 4780

16 – O que é o After Market? – [Voltar ao topo]
O After Market permite a negociação de ações no período noturno, após o horário regular, de forma eletrônica. As operações são dirigidas por ordens e fechadas automaticamente por meio do sistema eletrônico de negociação da BOVESPA (Mega Bolsa). A totalidade de ordens enviadas tem um limite de R$ 100.000,00 por investidor para o período After-Market e os preços das ordens enviadas nesse período não poderão exceder à variação máxima positiva ou negativa de 2% em relação ao preço de fechamento do pregão diurno.

17 – Qual a diferença entre Mercado Primário e Mercado Secundário? – [Voltar ao topo]
O Mercado Primário compreende o lançamento de novas ações no mercado; é uma forma de captação de recursos para a empresa. Uma vez ocorrendo esse lançamento inicial ao mercado, as ações passam a ser negociadas no Mercado Secundário, onde ocorre a troca de propriedade de título. Ou seja, no Mercado Primário, quem vende as ações é a companhia, usando os recursos para se financiar. No Mercado Secundário, o vendedor é você (investidor) que se desfaz das ações para reaver o seu dinheiro. Por isso, os negócios que você realiza em Bolsa de Valores correspondem ao Mercado Secundário.

18 – O que é o Mercado Fracionário? – [Voltar ao topo]
Toda empresa tem suas ações negociadas em lotes, que podem ser de 1, 10, 100 ações, etc. Se, por exemplo, você não desejar comprar um lote-padrão de 100 ações, mas sim 150 ações, é necessário usar o mercado fracionário. Neste caso, o lote padrão, ou seja, as 100 ações, serão negociadas no mercado integral e as 50 restantes, no fracionário.

19 – Como as ações são negociadas? – [Voltar ao topo]
Você, na qualidade de investidor, transmite sua ordem de compra ou venda de ações para a Corretora da qual é cliente. A Corretora, por meio de seus operadores, lança a ordem no Mega Bolsa, o sistema eletrônico de negociação da BOVESPA. Caso haja outra de mesmo valor, no sentido contrário, o negócio é fechado na hora.

20 – Como é formado o preço de uma ação? – [Voltar ao topo]
O preço da ação é formado pelos investidores do mercado que, dando ordens de compra ou venda de ações às Corretoras das quais são clientes, estabelecem o fluxo de oferta e procura de cada papel, fazendo com que se estabeleça o preço justo da ação. A maior ou menor oferta/procura por determinada ação, que influencia o processo de valorização ou desvalorização de uma ação, está relacionada ao comportamento histórico dos preços e principalmente às perspectivas futuras de desempenho da empresa emissora da ação. Tais perspectivas podem ser influenciadas por notícias sobre o mercado no qual a empresa atua, divulgação do balanço da empresa (com dados favoráveis ou desfavoráveis), notícias sobre fusão de companhias, mudanças tecnológicas e muitas outras que possam afetar o desempenho da empresa emissora da ação.

21 – Existe um prazo mínimo para se ficar com uma ação? – [Voltar ao topo]
Não há prazo mínimo nem máximo para se manter uma ação. Se desejar, você pode vender a ação no mesmo dia em que a comprou, realizando um day trade.

22 – O que é day trade? – [Voltar ao topo]
Fazer um day trade significa comprar e vender, no mesmo dia, a mesma quantidade de títulos de uma empresa, utilizando para isso a mesma Corretora e também o mesmo Agente de Compensação. Exemplo: você compra ou vende certo número de ações por um preço, acompanha a variação da cotação daquele papel ao longo do dia e inverte a posição vendendo ou comprando no mesmo dia. E a diferença do preço de compra para o preço de venda, multiplicado pela quantidade das ações (considerando também as taxas da operação e os impostos), é o resultado do day trade.

23 – O que é a liquidação das operações? – [Voltar ao topo]
Após a realização do negócio, ocorre a liquidação da operação: processo pelo qual se dá a transferência da propriedade dos títulos e o pagamento/recebimento do montante financeiro envolvido. A liquidação das operações é feita pela CBLC – Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia.

24 – O que significa a “Bolsa em alta” ou “Bolsa em baixa”? – [Voltar ao topo]
Diz-se que a Bolsa fechou “em alta” quando o índice de fechamento de determinado pregão é superior ao índice de fechamento do pregão anterior. Analogamente, a Bolsa fechou “em baixa” quando o índice de fechamento de determinado pregão é inferior ao índice de fechamento do pregão anterior, e “estável” quando o índice de fechamento de determinado pregão está no mesmo nível do índice de fechamento do pregão anterior.
Na BOVESPA, o índice que atualmente é utilizado para verificar se a Bolsa fechou em alta ou em baixa é o Ibovespa, por ser ele o índice mais tradicional e o mais divulgado pela mídia. Assim, por exemplo, se o Ibovespa fechou em um certo dia em 10.000 pontos e, no dia seguinte, fechou em 10.500 pontos, houve uma alta de 5%.

25 – Como é determinado se uma ação está em alta ou em baixa? – [Voltar ao topo]
É necessário observar a sua oscilação, ou seja, a variação (positiva ou negativa) no preço da ação em um determinado período de tempo. Determinamos se uma ação está em alta ou em baixa verificando a relação entre o último preço negociado da ação e o seu preço de fechamento no dia anterior. Assim, se o último preço negociado para a ação for superior ao seu preço de fechamento do dia anterior, essa ação está em alta. Se o último preço for inferior à cotação de fechamento, a ação está em baixa.
Exemplo: se o preço de fechamento de uma ação X no dia anterior foi de R$ 1,00 e, hoje, o primeiro negócio realizado com a ação efetivou-se ao preço de R$ 1,05, dizemos que a ação teve uma oscilação positiva de 5%, ou seja, alta de 5%. Caso ocorra posteriormente outro negócio com a ação, concretizado ao preço de R$ 1,03, a oscilação positiva foi de 3%; e assim durante todo o dia, sempre comparando o último preço à cotação de fechamento do dia anterior.

26 – Como posso acompanhar o comportamento do mercado como um todo? – [Voltar ao topo]
Pelo item “Informações do Pregão” deste site, que mostra o andamento dos negócios no dia e a evolução do Ibovespa: o índice Bovespa que acompanha a evolução média das cotações das ações.

27 – O que é POP? – [Voltar ao topo]
O POP (Proteção do Investimento com Participação) é um produto de renda variável, negociado na BOVESPA, que proporciona uma proteção contra eventuais perdas (desvalorização) do investimento em ações em troca de uma participação nos potenciais ganhos desse investimento. Isso é obtido por meio da combinação da aplicação em ações com a aplicação em seus derivativos.
Funciona da seguinte forma: o investidor define o nível de proteção desejado ao escolher em que série de POP vai investir. Se a ação cair, ele recebe o valor do capital protegido, cobrindo assim o risco correspondente à desvalorização. Em contrapartida, se a ação subir, o aplicador abre mão de uma parte do lucro obtido com a valorização do papel.
Lembre-se que o valor do capital protegido que você escolheu pode ser menor que o valor que você investiu (o preço que você pagou pelo POP).

28 – O que é um índice de ações? – [Voltar ao topo]
Um índice de ações é um indicador do desempenho de uma carteira teórica de ações.

29 – O que é carteira teórica? – [Voltar ao topo]
É um grupo de ações, no qual se fará o investimento teórico representado pelo índice. Isto é, são as ações escolhidas para comporem o índice.

30 – Qual é a finalidade de um índice de ações? – [Voltar ao topo]
Os índices de ações têm por finalidade servir como indicador médio do comportamento do mercado acionário como um todo, ou de um segmento econômico específico do mercado (no caso dos índices restritos e setoriais). Assim, os índices são desenhados de modo a mostrar se as ações do mercado, em média, valorizaram-se ou se desvalorizaram em um dado período de tempo.

31 – Quem calcula os índices de ações? – [Voltar ao topo]
Os índices de ações são calculados pelas Bolsas de Valores ou por instituições especializadas.

32 – Quem usa os índices de ações? – [Voltar ao topo]
Investidores e indivíduos em geral que queiram informar-se sobre o comportamento do mercado acionário, e também administradores de recursos, corretoras de valores, departamentos de pesquisa de instituições financeiras e empresas, consultores de investimento e investidores institucionais.

33 – O que são “pontos” de um índice de ações? – [Voltar ao topo]
Os índices têm como unidade de medida o “ponto”. Ele representa um valor absoluto, cuja função é a de servir de instrumento de comparação: ele permite a análise de variação do valor de uma carteira de ativos ao longo do tempo.
A rentabilidade é representada pela variação dos pontos do índice. Ou seja, divide-se o valor do índice em uma determinada data pelo valor do índice na data de referência passada, subtrai-se 1 (um) do resultado obtido nessa operação e multiplica-se o resultado por 100 (cem) para se obter a rentabilidade em termos percentuais da carteira.

34 – O que é quantidade da carteira teórica? – [Voltar ao topo]
É a quantidade de cada ação dentro da carteira, ou seja, quantas ações de cada companhia/tipo da ação (PN, ON…) serão incluídas na carteira do índice.

35 – O que é o Ibovespa? – [Voltar ao topo]
O Índice Bovespa (Ibovespa) é o mais importante indicador do desempenho do mercado de ações brasileiro, pois retrata o comportamento das principais ações negociadas na BOVESPA. Ele é formado a partir de uma aplicação imaginária, em Reais, em uma quantidade teórica de ações (carteira). Sua finalidade básica é servir como indicador médio do comportamento do mercado. Para tanto, as ações que fazem parte do índice representam mais de 80% do número de negócios e do volume financeiro negociados no mercado à vista. Como as ações que fazem parte dessa carteira têm grande representatividade, podemos dizer que se a maioria delas estiver subindo, o mercado, medido pelo Índice Bovespa, está em alta, e se estiver caindo, está em baixa.

36 – O que é o IBrX? – [Voltar ao topo]
O IBrX – Índice Brasil é um índice de preços que mede o retorno de uma carteira composta por 100 ações selecionadas entre as mais negociadas na BOVESPA, em termos de número de negócios e volume financeiro. Mais recentemente foi criado o IBrX-50, cuja carteira é composta por 50 ações.

37 – Como são escolhidas as ações que participarão do índice? – [Voltar ao topo]
Cada índice tem um objetivo (por exemplo, representar todo o mercado ou apenas um segmento dele), e, portanto, tem critérios específicos de escolha das ações que irão compor sua carteira. Esses critérios são chamados de “critérios de inclusão” e constam das metodologias dos índices da BOVESPA.

38 – Uma vez escolhida, a carteira de ações do índice não muda mais? – [Voltar ao topo]
Muda. Periodicamente, são realizadas reavaliações para que o índice acompanhe as mudanças do mercado e continue representando fielmente o seu comportamento. Na BOVESPA, as revisões são feitas a cada quatro meses (com base nos dados de negociação dos doze meses anteriores), quando se verifica se alguma ação ainda não pertencente está atendendo aos critérios de inclusão (e nesse caso ela será incorporada à nova carteira), e se as ações incluídas nos índices continuam cumprindo esses critérios. Se uma ação não atende mais aos critérios necessários, ela será retirada da carteira, conforme estabelecido na metodologia de cada índice. As vigências das carteiras dos índices da BOVESPA são: janeiro a abril; maio a agosto; setembro a dezembro.

39 – As companhias retiradas do índice devem ser consideradas um mau investimento? – [Voltar ao topo]
Não. A inclusão ou exclusão de uma ação da carteira de um índice não reflete os méritos da companhia em si. Sua eventual remoção reflete apenas a estrutura corrente do índice, e o fato de que a ação não mais atende aos critérios para integrar tal índice. Muitas dessas companhias podem ser excelentes investimentos quando analisadas em si.

40 – Que tipos de índices de ações existem? – [Voltar ao topo]
Índice de preços: indicador que considera apenas as variações dos preços das ações, ajustando as quantidades teóricas exclusivamente para proventos em ações. Outros proventos em dinheiro (ex. dividendos, direitos de subscrição, etc.) não são levados em consideração na apuração desse índice.
Índice de retorno total: valor do índice de preços acrescido do reinvestimento de dividendos e outros proventos distribuídos pelas empresas emissoras. Os proventos são reinvestidos no índice na data “ex-provento” (data em que a ação começa a ser negociada com o provento já descontado do seu valor). Assim, esse é um índice que mede o retorno total das ações componentes de sua carteira.
Índices amplos: representam o mercado como um todo. Podem ser compostos por todas as ações listadas naquele mercado, ou por um grupo de ações que têm significativa participação na negociação total e, assim, refletem de modo acurado o desempenho médio de todas as ações (ex. o Ibovespa representa, no mínimo, 80% do número de negócios e do volume financeiro transacionados no mercado à vista, e também aproximadamente 70% da capitalização das empresas negociadas).
Índices restritos: representam o comportamento de uma parte determinada do mercado, como, por exemplo, o grupo das ações mais negociadas (“blue chips”) ou o grupo das ações bem conceituadas junto aos investidores mas que não estão incluídas entre as mais negociadas (ações de “segunda linha”).
Índices setoriais: representam o comportamento de setores econômicos específicos (ex. energia elétrica; telecomunicações; metalurgia; etc.), sendo compostos exclusivamente por ações de indústrias desses setores.

41 – O que é variação do índice? – [Voltar ao topo]
Variação é a diferença entre os valores de um determinado índice em dois instantes considerados.

42 – Como são calculados os índices ao longo do período de negociação? – [Voltar ao topo]
Os índices da BOVESPA são calculados em tempo real (a cada 30 segundos), sendo as carteiras valorizadas com os últimos preços das ações componentes registrados até o momento do cálculo. Dessa forma, o índice de abertura é o primeiro índice calculado no dia, o índice mínimo é o menor valor registrado e o índice máximo é o maior valor registrado no dia. O índice de fechamento (ou ‘último’) é calculado no encerramento do pregão regular, usando os preços de fechamento das ações componentes da carteira.

43 – Como é calculado o índice médio? – [Voltar ao topo]
A BOVESPA calcula dois tipos de índices médios: o índice médio aritmético e o índice médio ponderado.
• Índice médio aritmético: a cada 30 segundos, os índices são calculados usando os últimos preços das ações componentes registrados até o momento do cálculo (“índices instantâneos”). O índice médio aritmético é a soma de todos os índices instantâneos do dia divididos pelo número de índices calculados.
• Índice médio ponderado: calculado utilizando-se os preços médios ponderados das ações componentes (volume financeiro da ação negociado no mercado à vista, lote-padrão, dividido pela quantidade de ações negociada no dia), após o fechamento do pregão.
O cálculo do índice médio ponderado foi implantado pela BOVESPA para facilitar o acompanhamento dos investidores de fundos de ações, uma vez que a regulamentação dos mesmos exige que a valorização da carteira para cálculo da quota seja feita com os preços médios ponderados das ações.

44 – O que significa dizer que o índice “subiu” ou “caiu”? – [Voltar ao topo]
Significa dizer que, em média, as ações componentes de sua carteira valorizaram-se (em caso de alta do índice) ou se desvalorizaram (em caso de queda do índice).

45 – O que significa “Bolsa em alta”? E “Bolsa em baixa” ou “Bolsa estável”? – [Voltar ao topo]
Diz-se que a Bolsa fechou “em alta” quando o índice de fechamento de determinado pregão é superior ao índice de fechamento do pregão anterior. Analogamente, a Bolsa fechou “em baixa” quando o índice de fechamento de determinado pregão é inferior ao índice de fechamento do pregão anterior, e “estável” quando o índice de fechamento de determinado pregão está no mesmo nível do índice de fechamento do pregão anterior.
Na BOVESPA, o índice que atualmente é utilizado para verificar se a Bolsa fechou em alta ou em baixa é o Ibovespa, por ser ele o índice mais tradicional e o mais divulgado pela mídia. Assim, por exemplo, se o Ibovespa fechou em certo dia em 10.000 pontos e, no dia seguinte, fechou em 10.500 pontos, houve uma alta de 5%.

46 – A tendência de movimento dos índices de ações pode ser prevista com precisão? – [Voltar ao topo]
Não. O movimento dos índices depende de vários fatores, tais como lucros e perspectivas das companhias integrantes da carteira, o que sempre dependerá do nível de informação e das expectativas econômicas de quem faz a análise. É importante ressaltar que análises de movimentos passados do índice devem ser cuidadosas, pois as conjunturas econômicas mudam com o tempo, refletindo-se de maneira singular no mercado de ações.

47- Como se mede o quanto um índice “subiu” ou “caiu”? – [Voltar ao topo]
Dividindo-se o número de pontos do índice em um dado momento pelo número de pontos do índice no fechamento dos negócios de uma data anterior (subtraindo-se 1 e multiplicando-se por 100 o resultado para o cálculo da rentabilidade). Por meio dessa operação pode-se auferir o quanto, percentualmente, o índice subiu ou caiu nesse período.

48 – O quanto um índice pode subir? – [Voltar ao topo]
Não há limite de alta para um índice, ou seja, os preços das ações podem subir ilimitadamente. Mas mais importante do que o nível de alta do índice é a tendência de alta dos preços sinalizada pelo mercado.

49 – O quanto um índice pode cair? – [Voltar ao topo]
A BOVESPA não fixa um limite de queda para os índices que calcula. No entanto, a Bolsa adota para o Índice Bovespa um mecanismo chamado de “interruptor de circuito” (“circuit breaker”), que consiste na interrupção das negociações quando o Ibovespa atinge um determinado percentual de queda. Esse parâmetro foi determinado de acordo com a volatilidade histórica do índice. O mecanismo de “circuit breaker” tem o objetivo de amenizar quedas do mercado em situações que se mostram anormais, e, portanto, deve ser utilizado apenas nessas situações atípicas, pois seu uso frequente pode acabar elevando a volatilidade do mercado, gerando um efeito inverso ao pretendido.
O “circuit breaker” é ativado tomando por base o valor de fechamento do Ibovespa do dia anterior, da seguinte maneira:

  • interrupção de meia hora para uma queda de 10% no índice;
  • interrupção adicional de uma hora se o índice cair mais 5% após a reabertura (completando uma queda total de 15%).
  • Por fim, vale ressaltar que a BOVESPA assegura um período de 30 minutos de negociação contínua no final da sessão regular, de modo a possibilitar que compradores e vendedores ajustem suas posições.

50 – Os índices podem prever se o mercado irá subir ou cair? – [Voltar ao topo]
Alguns analistas de mercado – técnicos ou grafistas – utilizam o comportamento histórico dos índices como base para suas projeções sobre o futuro comportamento do mercado ou de um setor. Os índices em si, entretanto, têm como propósito representar acuradamente o comportamento do mercado até o momento presente, ou seja, demonstrar para onde o mercado caminhou (e não o seu futuro).

 

51 – Os índices de ações representam o comportamento da economia do país? – [Voltar ao topo]
Há um grande campo comum entre o desempenho da economia e o do mercado de ações, pois os lucros das empresas são um forte “combustível” para a economia do país. Assim, o mercado frequentemente sobe antecipadamente a expansões econômicas, e cai antes de contrações da economia. Contudo, a correlação não é perfeita, pois há outros fatores que movimentam os mercados e a economia. Nesse sentido, é um erro formular expectativas econômicas apenas com base nos movimentos dos índices de ações.

 

52 – O que são debêntures? – [Voltar ao topo]
As debêntures são títulos de dívida de médio e longo prazo emitidos por sociedades anônimas, que conferem ao debenturista (detentor do título) um direito de crédito contra a mesma, de acordo com as características constantes na escritura de emissão (documento legal que declara as condições sob as quais a debênture foi emitida, tais como: prazo, remuneração, garantias, periodicidade de pagamento de juros, etc.). Os recursos captados com a emissão de debêntures são geralmente utilizados no financiamento de projetos, reestruturação de passivos ou aumento de capital de giro. Cada debênture emitida representa uma fração do total da dívida contraída pela companhia no ato da emissão, e pode ser negociada no mercado secundário. Apesar de serem classificadas como títulos de renda fixa, as debêntures podem ter características de renda variável, como prêmios, participação no lucro da empresa ou até mesmo conversibilidade em ações da companhia. Na Bolsa de Valores de São Paulo, as debêntures são negociadas no BOVESPA FIX.

 

53 – O que são notas promissórias? – [Voltar ao topo]
As notas promissórias, também conhecidas como commercial papers, são títulos de curto prazo emitidos por empresas e sociedades anônimas para captar recursos de capital de giro. Podem ser emitidas por sociedades anônimas de capital fechado, pelo prazo máximo de 180 dias e pelas de capital aberto, pelo prazo de até 360 dias. Na Bolsa de Valores de São Paulo, as notas promissórias são negociadas no BOVESPA FIX.

 

54 – Qual a diferença entre ações, debêntures e notas promissórias? – [Voltar ao topo]
As ações fazem parte do Mercado de Renda Variável, e ao comprar ações de uma empresa, você se torna sócio dela e divide os riscos do negócio.
Já as debêntures e as notas promissórias fazem parte do Mercado de Renda Fixa. Quem investe em debêntures ou em notas promissórias deve analisar o risco de crédito da emissão, pois se torna credor da empresa e terá de volta os recursos emprestados, nos prazos, condições e garantias pré-determinados no ato da emissão do título.

 

55 – O que é FIDC? – [Voltar ao topo]
Fundo de Investimento em Direitos Creditórios – FIDC é uma comunhão de recursos que destina parcela preponderante do respectivo patrimônio líquido para a aplicação em direitos creditórios. Direitos creditórios são os direitos e títulos representativos de crédito, originários de operações realizadas nos segmentos financeiro, comercial, industrial, imobiliário, de hipotecas, de arrendamento mercantil e de prestação de serviços, os contratos e os direitos e títulos representativos de créditos. Desde 2004, o FIDC, também conhecido como Fundo de Recebíveis, vem se consolidando como instrumento eficiente de captação de recursos para empresas no mercado de capitais brasileiro. A BOVESPA, através de seus mercados de Renda Fixa Corporativa – Bovespa Fix e Soma Fix – oferece o ambiente adequado para a negociação de cotas de FIDC através de uma plataforma de negociação totalmente eletrônica.

 

56 – O que é CRI? – [Voltar ao topo]
Os Certificados de Recebíveis Imobiliários, CRI, são títulos de renda fixa lastreados em créditos imobiliários – fluxo de pagamentos de contraprestações de aquisição de bens imóveis, ou de aluguéis – emitidos por sociedades securitizadoras. Podem ser emitidos nas formas simples ou com regime fiduciário, sendo que esta implica em constituição de patrimônio separado, administrado pela companhia securitizadora e composto pela totalidade dos créditos submetidos ao regime fiduciário que lastreiem a emissão, além da nomeação de agente fiduciário, o qual tem como função zelar pela proteção dos direitos e interesses dos beneficiários, acompanhando a atuação da companhia securitizadora na administração do patrimônio separado, entre outras. A Lei 9.514/97 que criou o CRI, posteriormente alterada pela MP 2.223/01 e Lei 10.931/04, também instituiu a alienação fiduciária para bens imóveis e as Companhias Securitizadoras. Outra importante característica dos CRI é a isenção de imposto de renda sobre sua remuneração, para investidores pessoas física a partir de 01/01/2005, de acordo com a lei 11.033/94.

 

57 – O que é Alienação Fiduciária? – [Voltar ao topo]
Significa o bem alienado ficar temporariamente em nome do credor, servindo de garantia para o financiamento. Até a a quitação do empréstimo, o credor permanece na condição de proprietário do ativo.

 

58 – O que são os Fundos de Investimento Imobiliário (FII)? Onde consigo informações sobre eles? – [Voltar ao topo]
Os Fundos são constituídos como “condomínios fechados”, divididos em cotas que depois de adquiridas não podem ser resgatadas. O patrimônio de um fundo imobiliário pode ser composto de imóveis comerciais, residenciais, rurais ou urbanos, construídos ou em construção, para posterior alienação, locação ou arrendamento. As instituições financeiras administradoras dos Fundos são obrigadas a manter, no mínimo, 75% do patrimônio do Fundo em bens e direitos imobiliários, sendo que os 25% restantes deverão estar aplicados em títulos de renda fixa. Além disso, 95% do resultado líquido auferido pelo Fundo deverá ser distribuído ao cotista. As cotas são valores mobiliários que podem ser negociados (comprados ou vendidos) na BOVESPA. Somente através da negociação da cota é possível se desfazer do ativo e reaver o dinheiro investido.

 

59 – O que é uma Companhia Aberta? – [Voltar ao topo]
Todas as empresas listadas na BOVESPA são companhias abertas. Uma companhia é considerada aberta quando promove a colocação de valores mobiliários em bolsas de valores ou no mercado de balcão. São considerados valores mobiliários: ações, bônus de subscrição, debêntures e notas promissórias para distribuição pública.

 

60 – Por que as empresas abrem capital? – [Voltar ao topo]
Conforme vão crescendo, as empresas precisam de dinheiro para financiar seus projetos de desenvolvimento, investir na produção, construir novos parques industriais ou para inovação tecnológica. Uma das maneiras de obter esses recursos é tornar-se uma companhia aberta. Ao abrir seu capital, uma empresa encontra uma fonte de captação de recursos financeiros permanentes.
Investindo no mercado de capitais, o investidor tem a possibilidade de formar patrimônio para o futuro e, ao mesmo tempo, fornecer recursos para o crescimento das empresas. Com mais recursos, as empresas podem aumentar sua produção, gerando empregos e colaborando para o desenvolvimento do Brasil.

61 – O que é o Novo Mercado? E os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa? – [Voltar ao topo]
O Novo Mercado é um segmento de listagem destinado à negociação de ações emitidas por empresas que se comprometem, voluntariamente, com a adoção de práticas de governança corporativa adicional em relação ao que é exigido pela legislação. Essas regras ampliam os direitos dos acionistas, melhoram a qualidade das informações usualmente prestadas pelas companhias entre outros benefícios.
A principal inovação do Novo Mercado, em relação à legislação, é a proibição de emissão de ações preferenciais. Porém, esta não é a única. A adesão a essas práticas de governança distingue a companhia como Nível 1, Nível 2 ou Novo Mercado dependendo do grau de compromisso assumido pela empresa:

  • Nível 1: práticas diferenciadas de governança corporativa, que contemplam basicamente regras de transparência e dispersão acionária;

    Nível 2: além das regras de transparência e dispersão acionária exigidas no Nível 1, contempla também as de equilíbrio de direitos entre acionistas controladores e minoritários.

    Novo Mercado: conjunto ainda mais amplo de práticas de governança. A grande diferença do Novo Mercado para os Níveis é a proibição de emissão de ações preferenciais: no Novo Mercado, as empresas devem ter somente ações ordinárias.

 

62 – O que é Governança Corporativa? – [Voltar ao topo]
Governança Corporativa pode ser definida como o esforço contínuo em alinhar os objetivos da administração das empresas aos interesses dos acionistas. Isso envolve as práticas e os relacionamentos entre os Acionistas/Cotistas, o Conselho de Administração, a Diretoria, uma Auditoria Independente e até mesmo um Conselho Fiscal. A boa governança corporativa permite uma administração ainda melhor e a monitoração da direção executiva da empresa. A empresa que opta pelas boas práticas de governança corporativa adotacomo linhas mestras transparência, prestação de contas (accountability) e equidade.

 

63 – Quais são as opções de investimento disponíveis para o público estrangeiro? – [Voltar ao topo]
Os investimentos estrangeiros em portfólio estão permitidos no Brasil desde 1991. Com a edição da Resolução 2689/2000 do Conselho Monetário Nacional, os investidores não residentes podem investir nos mesmos produtos disponíveis aos aplicadores locais, sendo livre o trânsito de investimentos em renda variável para renda fixa e vice-versa, observada as diferenças de tratamento tributário aplicáveis.

 

64 – O que é preciso para um estrangeiro começar a investir? – [Voltar ao topo]
Considerando que os investidores estrangeiros não são residentes no Brasil, a legislação brasileira exige que o investidor contrate instituição que atue como:

  • Representante Legal: responsável por apresentar todas as informações do investidor às autoridades competentes no Brasil. Caso o investidor seja individual ou instituição não-financeira, o próprio investidor deve indicar uma instituição financeira legalmente autorizada pelo Banco Central do Brasil que será co-responsável pelas obrigações do representante.
    Representante Fiscal: responsável pelo recolhimento de taxas e tributos junto às autoridades brasileiras.
    Custodiantes: responsável por manter o controle atualizado dos ativos da carteira do investidor estrangeiro, bem como disponibilizar tais informações às autoridades e ao investidor quando solicitado. Os ativos financeiros e títulos negociados, assim como as outras formas de aplicação do investidor estrangeiro no Brasil são mantidas de maneira segregada e em nome do investidor em contas de custódia nas instituições depositárias autorizadas, pela Comissão de Valores Mobiliários ou pelo Banco Central do Brasil, a prestar esses serviços. A lista de instituições autorizadas a atuar como custodiantes está disponível no site da CVM.

 

65 – O que são eventos corporativos? – [Voltar ao topo]
Eventos corporativos são as obrigações do emissor relativas ao resgate do principal e dos acessórios (juros, dividendos etc.) dos ativos por ele emitidos. Veja, por exemplo, os eventos corporativos da Petrobrás.

ONDE ENCONTRAR AS INFORMAÇÕES? Para obter informações sobre os últimos eventos corporativos, acesse www.bmfbovespa.com.br / Mercados / item Ações / Empresas / Consultas / Eventos Corporativos. Você pode também fazer download do arquivo de proventos em dinheiro na opção Consultas / Proventos em Dinheiro. Para pesquisar os eventos corporativos de determinada empresa, acesse www.bmfbovespa.com.br / Mercados / item Ações / Empresas / Empresas Listadas, clique no referido nome e, por fim, no item Eventos Corporativos.

66 – Qual o horário de negociação da Bolsa? – [Voltar ao topo]

Pregão: Sessão contínua de 2ª a 6ª feira das 10h às 17h, exceto feriados nacionais e de São Paulo.

Obs: Horário diferenciado para o horário de verão. (abertura 11:00, fechamento 18:00)

Leilão: Todos os dias na Abertura, no Fechamento e nos momentos em que haja divergência significativa de preço e quantidade nas ofertas (saiba mais).

After Market: Pregão instituído a fim de que os investidores pudessem realizar seus acertos finais do dia. Funciona após o fechamento do Pregão Normal, com algumas restrições operacionais. Das 17h 30min às 19:00h.

Futuro Ibovespa: Abertura 09h e Fechamento às 18h00min.

Veja todos os horários de negociação

67 – O que é grupamento de ações (ou inplit) – [Voltar ao topo]
Grupamento (inplit) é a redução da quantidade de ações de uma empresa, sem que haja alteração na participação dos sócios. Por extensão, redução da quantidade de títulos e valores mobiliários, sem que ocorra alteração na participação dos sócios, investidores ou titulares de direitos. No caso de ações ou quotas de fundos, a decisão de grupar depende de aprovação em assembléia geral..

 

68 – O que é desdobramento de ações (ou split)? – [Voltar ao topo]
Desdobramento (split) é o aumento da quantidade de ações representativas do capital sem implicar qualquer mudança na participação patrimonial dos acionistas ou no valor de mercado agregado na ocasião do desdobramento.

69 – Quais livros e filmes vocês me indicam? – [Voltar ao topo]
Gosto daquele “Como se transformar em um operador e investidor de sucesso” e o outro “Aprenda a operar no mercado de ações”, foram os dois do Elder que já li, ele possui outros mas não sei como são.
Do Bastter já li “Investindo em Opções” e “Fique Rico operando opções”, vale a pena ler, porém modéstia a parte considero inferior aos DVDs que elaborei, dada a maneira como ele explica os conceitos.
Quanto a filmes, veja uma seleção dos melhores vídeos, já assisti “À procura da felicidade”, “O primeiro milhão”, “Wall Street 1 e 2” e o “O lobo de Wall Street”, todos excelentes.
http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/luz-camera-acoes-10-bons-filmes-sobre-bolsa-de-valores

Livros de Análise Fundamentalista indicados pela Infomoney: http://www.infomoney.com.br/onde-investir/acoes/noticia/2568641/livros-para-voce-investir-melhor-bolsa-valores

70 – O que são commodities? – [Voltar ao topo]
commodities
São produtos básicos, homogêneos e de amplo consumo, que podem ser produzidos e negociados por uma ampla gama de empresas. O Brasil é um grande produtor de algumas commodities como café, laranjas, petróleo, alumínio, minério de ferro, etc. Podemos encontrar diversas formas de commodities, como:
Agropecuários: boi gordo, soja, café, milho, algodão, trigo, borracha;
Minerais: ouro, prata, petróleo, alumínio, níquel e platina;
Industriais, como tecido 100% algodão, poliéster, ferro gusa e açúcar;
Financeiros, como as moedas mais requisitadas dólar, euro, real, ações de grandes empresas, títulos de governos nacionais, etc.
São negociadas em duas formas: mercado à vista e futuro (fecha-se já um contrato para entrega/pagamento futuro), e nas Bolsas de Mercadorias, são negociadas em quantidades padrões: por exemplo, na BM&F o dólar é negociado em contratos de US$ 10.000 e o café em contratos de 100 sacas de 60 Kgs.

Veja mais informações clicando aqui e aqui

71 – O que acontece quando uma empresa sai da Bolsa de Valores (fecha o capital)? Como ficam os papeis que por ventura possuir em carteira?
[Voltar ao topo]

Antes da empresa fechar, ela faz uma OPA (Oferta Pública de Ações) de cancelamento de registro, ou seja, ela recompra as ações dos acionistas. Após esse processo ela deixa de ser negociada na Bolsa e caso alguém ainda possua alguma ação da empresa, precisa entrar em contato com a empresa para verificar se ela ainda aceita recomprar as ações.
Fica por conta do acionista participar ou não dessa OPA, se a empresa conseguir recomprar um certa quantidade para concluir o fechamento no mercado, ela encerra a OPA e fecha seu capital, e as o acionistas que ainda ficam com as ações, como dito, precisam entrar em contato com a própria empresa.